Conferências FFLCH - USP, I Congresso Internacional Pensamento e Pesquisa sobre a América Latina

Tamanho da fonte: 
Mecanismos de divisão da classe operária nas organizações flexíveis na América Latina
Ticiane Lorena Natale

##manager.scheduler.building##: Departamento de História/FFLCH - USP
##manager.scheduler.room##: Sala 11
Data: 2019-05-09 10:30  – 01:00
Última alteração: 2019-06-16

Resumo


Esta pesquisa analisa os mecanismos de divisão da classe trabalhadora operada pela organização flexível da produção e do trabalho na indústria na América Latina. Os objetivos são identificar e entender quais são os mecanismos peculiares utilizados pelas empresas flexíveis nos países periféricos que, propositadamente ou não, contribuem para o esfacelamento da coesão operária a partir de uma lógica colaboracionista com a classe patronal. A metodologia de pesquisa tem como ponto de partida pesquisa empírica qualitativa com observação participante realizada durante dois anos (2014-2016) numa fábrica multinacional em São Paulo, e também pesquisa bibliográfica que abordará economia, sociologia do trabalho e estudos empíricos sobre o trabalho operário em outros países da América Latina. O paradigma teórico interpretativo é o materialismo histórico dialético com contribuições da teoria da dependência. Os resultados obtidos até o momento demonstram que os mecanismos de divisão da classe trabalhadora não se centram em recursos como bônus e estabilidade no emprego como muito se fala do toyotismo no Japão e em grandes centros –  a situação econômica frágil e a presença massiva de filiais (e não matrizes) de fábricas na América Latina faz com que a organização flexível do trabalho e da produção tenha que buscar a colaboração do(a) operário(a) para aumento de sua produtividade a partir de: i) seu isolamento processo produtivo; ii) seu isolamento político; iii) pela coerção econômica (muitas vezes com a flexibilização da legislação trabalhista) e ideológica (muitas vezes de cunho religioso).


Palavras-chave


organização flexível do trabalho; toyotismo na América Latina; divisão da classe operária; construção do consentimento