Conferências FFLCH - USP, I Congresso Internacional Pensamento e Pesquisa sobre a América Latina

Tamanho da fonte: 
O rural no estruturalismo cepalino: o debate entre o dualismo estrutural e a porosidade estrutural
Gustavo Louis Henrique Pinto

##manager.scheduler.building##: Prédio da Letras/ FFLCH - USP
##manager.scheduler.room##: Sala 130
Data: 2019-05-08 02:00  – 05:00
Última alteração: 2019-05-04

Resumo


A percepção de que a estrutura agrária e a agricultura “moldaram”, “estruturaram” as sociedades latino-americanas está presente em toda uma geração de intelectuais, nos debates sobre o subdesenvolvimento, a modernização, a dependência, o desenvolvimento, os obstáculos sociais e políticos, entre outros. Na primeira geração da CEPAL, das décadas de 1950 e 1960, Celso Furtado e José Medina Echavarría produziram significativas interpretações históricas a respeito da formação da estrutura rural, o que constitui traço de distinção destes autores. O objetivo deste trabalho é confrontar as duas abordagens enquanto tensões do estruturalismo cepalino, no duplo movimento de apresentar primeiro a construção do dualismo como tese genética da CEPAL, e no segundo momento acenar para a revisão do dualismo estrutural ainda no final da década de 1950, por meio da entrada da Sociologia na instituição, e a interpretação da porosidade estrutural. Estes dois temas comportam uma comparação possível entre Furtado e Echavarría, já que estes autores possuem uma tradição historicista na análise do subdesenvolvimento, possuem uma teoria social sobre a periferia e, principalmente, apresentaram argumentos ligados à mudança social e a política na relação entre a modernização e as estruturas coloniais (e a tradição). A importância de se analisar o rural está exatamente no peso que a sobrevivência desta estrutura teve para os processos de modernização. No rural estão contidas as energias de perpetuação do subdesenvolvimento, de modo que toda sociedade que se “moderniza” necessita modificar o rural. Na periferia, de formação colonial, o rural capitalista formou setores modernos e não modernos, sendo este setor chave na compreensão do subdesenvolvimento e na transformação das formas de manutenção do atraso. Esta estrutura foi importante para os intelectuais de toda o estruturalismo, e foi tratado de forma inovadora por Furtado e Echavarría, interpretações que desejamos analisar neste trabalho.


Palavras-chave


CEPAL; Celso Furtado; José Medina Echavarría; Rural; Estrutura agrária