Conferências FFLCH - USP, I Congresso Internacional Pensamento e Pesquisa sobre a América Latina

Tamanho da fonte: 
Desenvolvimento Regional: Sentidos e Práticas em Disputa
Leandro Fontes Corrêa, Regina Claudia Laisner

##manager.scheduler.building##: Departamento de Geografia da FFLCH - USP
##manager.scheduler.room##: Sala 11
Data: 2019-05-07 10:30  – 01:00
Última alteração: 2019-05-02

Resumo


As proposições teórico-metodológicas que sugerem explicações universalistas e de sentido único para o quadro de subdesenvolvimento sul-americano acabam, na prática, apresentando obstáculos para o Desenvolvimento Regional. Ao não considerarem os diferentes projetos políticos em disputa, nem a especificidade histórica da região, respaldam agendas que não se atém às questões específicas, assim como suas imensas assimetrias locais, indo na contramão do desenvolvimento. Durante a primeira década dos anos 2000, além da significativa recusa à Área de Livre Comércio das Américas (ALCA), em 2005, observou-se também, no marco do Mercado Comum do Sul (Mercosul), ensaios de políticas formuladas à luz de uma novo paradigma de desenvolvimento. Os governos de Estado que protagonizaram este momento político da região reconheceram que desenvolvimento regional deve estar inscrito, enquanto conceito e prática, nas particularidades que constituem a América do Sul, de modo a satisfazer demandas que não se contemplam com relações estritamente comerciais. Nesta chamada Onda Rosa, principalmente com a criação do Instituto Social do Mercosul (ISM), em 2007, notaram-se desenhos de Políticas  Públicas que deram vazão a esse novo entendimento de desenvolvimento que se distanciou daquele proposto pela agenda hegemônica do regime econômico global. Deste modo, o  objetivo deste trabalho é colocar em debate a disputa em torno da definição do conceito de desenvolvimento regional, tendo em vista, de um lado a concepção tradicional, e de outro a definição que se alinha a estes fenômenos supracitados e aos autores propositores, pós anos 2000, considerando as proposições de Irma Adelman e Amartya Sen. Em seguida, tendo em consideração estes mesmos fenômenos, a partir de análise histórica-comparativa, no período compreendido entre 2003 a 2007, destacar estas e outras políticas comprometidas com a perspectiva em pauta. Ao final, busca-se apontar acontecimentos mais recentes, a exemplo do caso brasileiro, que colocam este modelo em risco.



Palavras-chave


Desenvolvimento Regional; Mercosul; Onda Rosa