Conferências FFLCH - USP, I Congresso Internacional Pensamento e Pesquisa sobre a América Latina

Tamanho da fonte: 
Emilio Rodrigué entre a Argentina e a Bahia
Sérgio Ribeiro de Almeida Marcondes

##manager.scheduler.building##: Prédio da Letras/ FFLCH - USP
##manager.scheduler.room##: Sala 130
Data: 2019-05-09 02:00  – 05:00
Última alteração: 2019-05-04

Resumo


Esta comunicação pretende tratar da produção literária do psicanalista Emilio Rodrigué (1923-2008). Argentino de nascença, Rodrigué se estabeleceu em Salvador, Bahia, no início da década de 1970, e viveu lá até sua morte em 2008. Na capital baiana, ele retomou seu trabalho clínico, participou da formação de vários psicólogos e psicanalistas e passou a escrever uma série de livros que combinam elementos autobiográficos, literários e psicanalíticos. Em suas obras, Rodrigué elaborou memórias de sua vida pessoal, de sua trajetória profissional e comentou sobre a psicanálise e várias pessoas que conheceu, sempre em um tom bem-humorado e extremamente personalista. Ao mesmo tempo, sua produção incluiu cada vez mais elementos de sua vivência na Bahia, como o candomblé e a praia de Ondina, e Rodrigué passou a atender pacientes de maneira bastante despojada e heterodoxa. Embora incluam elementos autobiográficos, suas obras não são, pelo menos para o próprio autor, autobiografias propriamente ditas, nem romances, embora incorporem aspectos literários. Sua obra pode ser considerada como estando na intersecção entre estes gêneros e a psicanálise, mas ainda precisamos acrescentar a isto a memória e a história, uma vez que o autor se coloca, mais próximo ao final da vida, como historiador da psicanálise. Em seu último livro de memórias, Separações necessárias, de 2000, Rodrigué reconta sua infância e seus primeiros estudos de psicanálise na Argentina, além de outros momentos de sua trajetória profissional, o que permite verificar elementos que o autor trouxe da Argentina e combinou posteriormente com sua vivência na Bahia para criar um estilo que chamo de “psicanálise pessoal”.

Palavras-chave


História da Psicanálise; Autobiografia; Bahia; Argentina; Literatura