Conferências FFLCH - USP, I Congresso Internacional Pensamento e Pesquisa sobre a América Latina

Tamanho da fonte: 
A retórica governamental sobre a globalização no século XXI: Argentina, Brasil e México
Solange Pastana Góes

##manager.scheduler.building##: Departamento de Geografia da FFLCH - USP
##manager.scheduler.room##: Sala 6
Data: 2019-05-08 02:00  – 05:00
Última alteração: 2019-05-03

Resumo


O contexto de aceleração do processo de globalização com o fim da Guerra Fria contribuiu para o incremento do debate na América Latina sobre a adoção de uma agenda pró mercado mundial, assim como acerca do papel da região nas iniciativas de governança global. Há os que assumiram a irreversibilidade do processo de globalização como um imperativo para inserção competitiva da economia da região no mercado mundial e para que os governos adotassem uma agenda neoliberal. Por outro lado, crescia também a discussão em torno de uma “globalização solidária” que promovesse alternativas políticas para o aumento das desigualdades econômicas e sociais imposto pela adoção de reformas neoliberais. Como coloca Immanuel Wallerstein, o mundo se colocou entre o espírito de Davos (Fórum Econômico Mundial) e o espirito de Porto Alegre (Fórum Social Mundial). A ideia deste trabalho é a de mapear as narrativas dos governos da Argentina, do Brasil e do México acerca da globalização nas duas primeiras décadas do século XXI. Serão analisados os discursos dos presidentes desses países latino-americanos tanto no Fórum Econômico Mundial quanto no Fórum Social Mundial. O objetivo é o de verificar como a retórica neoliberal e as iniciativas de solidariedade foram incorporadas aos discursos oficiais. Para tanto, será utilizado o software NVivo.


Palavras-chave


Globalização, Fórum Econômico Mundial, Fórum Social Mundial, discursos presidenciais