Conferências FFLCH - USP, I Congresso Internacional Pensamento e Pesquisa sobre a América Latina

Tamanho da fonte: 
A Experiência Metropolitana nas Margens - Aproximações possíveis entre os grupos "Santa Helena" e "La Boca"
João Carlos Teixeira Junior

##manager.scheduler.building##: Prédio da Letras/ FFLCH - USP
##manager.scheduler.room##: Sala 107
Data: 2019-05-08 02:00  – 05:00
Última alteração: 2019-04-26

Resumo


A presente pesquisa intenta estabelecer possíveis conexões semânticas entre o “Grupo Santa Helena” (São Paulo, Brasil) e os “Pintores de La Boca” (Buenos Aires, Argentina), no que concerne a relação poética com suas respectivas cidades enquanto complexas estruturas urbanas, fontes de inspiração. Não obstante avanços econômicos que resultaram em uma forte influência cultural europeia nas duas cidades, estas metrópoles criaram guetos em que o cotidiano distava léguas do luxo ostentado por suas respectivas elites. Estes guetos testemunharam o surgimento de artistas que, ao se agremiarem, viram equalizadas suas dificuldades pela formação técnica rudimentar ou inexistente.

À margem de discussões eruditas travadas por outros representantes do período, Alfredo Lazzari, Victor Cúnsolo, Fortunato Lacámera, Aldo Bonadei, Alfredo Volpi, Francisco Rebolo entre outros, buscaram uma arte que atendesse a demandas próprias no que diz respeito a suas experiências citadinas (uma vez que, em geral, provinham de classes oprerárias), despreocupados com a deformação estilizada da primeira geração dos modernistas brasileiros e o concretismo que despontaria na Argentina nos anos 1940. O gene Macchiaioli, presente na origem italiana de vários membros nos dois grupos, é uma hipótese que pode dar conta de tais soluções formais.


Palavras-chave


Santa Helena; La Boca; Arrabalde; Pintores Operários; Periferias