Conferências FFLCH - USP, I Congresso Internacional Pensamento e Pesquisa sobre a América Latina

Tamanho da fonte: 
O papel das habilidades cognitivas no desenvolvimento econômico da América Latina
Jose Aparecido Da Silva, Carmen Elvira Flores-Mendoza Prado, Rosemary Conceição dos Santos

##manager.scheduler.building##: Prédio da Letras/ FFLCH - USP
##manager.scheduler.room##: Sala 131
Data: 2019-05-08 02:00  – 05:00
Última alteração: 2019-05-03

Resumo


Elevar o desempenho cognitivo do capital humano dos países da América Latina, em especial do Brasil e do Peru, é ação premente, recomendada pelo Relatório de Economia e Desenvolvimento 2016 após a constatação de que apenas 1 em cada 3 alunos latino-americanos atingiram níveis mínimos em matemática e leitura no Programa Internacional de Avaliação de Alunos (Pisa), quando 4 em cada 5 alunos o conseguiram em países da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE). Tendo como objetivos o aumento da produtividade do mesmo e, por conseguinte, da economia nacional, este trabalho considera dados como a dificuldade desses alunos em estabelecer um raciocínio inferencial (IR) sobre os temas que lhes são questionados e o fato de a população adulta latino-americana ter, em média, entre sete e oito anos de estudo ante 11 anos nos países mais ricos, bem como, 20 milhões de jovens da região (20% do total) não estudar nem trabalhar e quase metade dos mesmos atuarem em serviços informais e de baixa qualidade, que pouco agregam à produtividade e crescimento econômico do país. Tomando por paradigma teórico interpretativo estudos de neurociência cognitiva, discute-se, neste trabalho, que diferenças em habilidades cognitivas se mostram altamente correlacionadas com indicadores de desigualdade; que a inferência, componente importante da inteligência, compreendendo muitos processos cognitivos diferentes, como percepção, memória e lógica, é promovida quando indivíduos com baixo nível socioeconômico podem estudar em escolas com mais recursos socioeconômicos; e que há uma inabilidade da escola em dotar esses mesmos alunos do nível de aprendizado razoável e mínimo em leitura e escrita para as circunstâncias que demanda o mundo hoje e no futuro, resultado de uma série de problemas, como formação deficiente docente e outras questões. Em comum, as três discussões indicam a ausência de políticas específicas para enfrentamento do problema.

Palavras-chave


Habilidades Cognitivas; Desigualdade; Diferenças Regionais; Inferência; Analfabetismo Funcional; América Latina.