Conferências FFLCH - USP, I Congresso Internacional Pensamento e Pesquisa sobre a América Latina

Tamanho da fonte: 
Neodesenvolvimentismo ou Morte? Uma análise acerca dos problemas e possibilidades dos "neodesenvolvimentismos" sob a ótica da Teoria Marcista da Dependência.
Vinicius Rezende Carretoni Vaz

##manager.scheduler.building##: Departamento de História/FFLCH - USP
##manager.scheduler.room##: Sala 21
Data: 2019-05-09 10:30  – 01:00
Última alteração: 2019-05-03

Resumo


Não é equivocado afirmar que boa parte dos países latino-americanos que apresentaram melhores índices de desenvolvimento no século XX tiveram em sua história a influência do pensamento econômico estruturalista. O pensamento cepalino, bem como o processo de industrialização e tentativa de superação da condição periférica perdurou, sob diversos pactos políticos, boa parte do século. No entanto, em meio aos regimes autoritários, diversos intelectuais de influência marxista vieram à tona demonstrando os limites das teses estruturalistas e como elas seriam incapazes de promover a ruptura com a dependência e o subdesenvolvimento. Dentre estas correntes temos a Teoria Marxista da Dependência, que ao forjar conceitos como o de “superexploração do trabalho” e “subimperialismo” visaram demonstrar que o desenvolvimento da época só foi possível por conta de variáveis exógenas e não necessariamente por uma elite disposta a disputar a construir uma capitalismo autônomo, e que sequer isto seria possível mesmo se houvesse tal interesse. A hegemonia do capital financeiro e do neoliberalismo, como ocorreu em boa parte da América Latina a partir do fim da década de 80 sinalizou de fato os limites do pensamento estruturalista. A partir do início do século seguinte com a hegemonia dos partidos progressistas o desenvolvimentismo ressurge no debate econômico sob outras formas, porém, podemos afirmar que os limites presentes no desenvolvimentismo clássico foram superados, ou seria somente uma forma possível de reformar o regime neoliberal? A presente pesquisa tem como objetivo se utilizar da ótica da Teoria Marxista da Dependência para analisar as atuais correntes do neodesenvolvimentismo latino-americano, dentre elas o social-desenvolvimentismo e o novo-desenvolvimentismo, duas correntes de inspiração keynesiana, quem buscam através de dois caminhos diferentes a superação do mesmo problema: do subdesenvolvimento latino-americano.


Palavras-chave


Neodesenvolvimentismo; Dependência, Neoliberalismo; Estruturalismo; Subdesenvolvimento