Conferências FFLCH - USP, I Congresso Internacional Pensamento e Pesquisa sobre a América Latina

Tamanho da fonte: 
Exposição do Estado Novo, em 1938, reafirma estratégia conjunta anticomunista com países da América Latina
Maria Margarida Cintra Nepomuceno

##manager.scheduler.building##: Departamento de História/FFLCH - USP
##manager.scheduler.room##: Sala 10
Data: 2019-05-10 09:00  – 01:00
Última alteração: 2019-05-03

Resumo


A grande exposição realizada no Rio de Janeiro em 1938, para marcar o “primeiro aniversário” do Estado Novo, teve como uma das curiosidades a ser exibida, pelo governo Vargas, o Pavilhão Anticomunista com uma mostra de um acervo com centenas de documentos que mostram a “eficiência” do governo no combate ao anticomunismo no Brasil, até aquele momento.

O Pavilhão foi organizado pelo Serviço de Estudos e Investigação ligado aos ministérios da Justiça e das Relações Exteriores. O S.E.I. existia informalmente desde 1936 e contava com a rede de observação da diplomacia no exterior, o suporte institucional do Ministério da Justiça e da ação repressora da Polícia Civil e dos demais órgãos federais.

Faziam parte do acervo, entre outras coisas, fichários com o histórico de comunistas brasileiros, sindicalistas e políticos, expostos publicamente como criminosos, e demais documentos dos partidos e movimentos de esquerda – referentes à organização, propaganda e educação dos partidos - coletados desde o exterior.

Quarenta por cento do catálogo da Exposição do Estado Novo, com quase 100 páginas, eram destinados à mostra do Pavilhão anticomunista. Nele se encontravam análises e informações sobre as origens do comunismo no Brasil, o ambiente político que favoreceu ou não os avanços e recuos do partido, as ligações e orientações do Partido Comunista soviético. Esse histórico tem o selo do governo federal, mas segundo o jornalista Newton Freitas foi escrito por Carlos Lacerda, naquele momento aliado incondicional de Getúlio no combate ao comunismo.

O presente trabalho tem como finalidade refletir sobre o peso da doutrina anticomunista nas estratégias do Governo de Getúlio Vargas na Região, através de documentação histórica obtida no Itamaraty do Rio de Janeiro e dos arquivos do CPDOC.


Palavras-chave


Anti-comunismo; Estado Novo; Getúlio Vargas; Exposição 1938