Conferências FFLCH - USP, I Congresso Internacional Pensamento e Pesquisa sobre a América Latina

Tamanho da fonte: 
Naturalismo e catolicismo no Brasil de Aluísio Azevedo e no México de Federico Gamboa
Haroldo Ceravolo Sereza

##manager.scheduler.building##: Prédio da Letras/ FFLCH - USP
##manager.scheduler.room##: Sala 134
Data: 2019-05-09 02:00  – 05:00
Última alteração: 2019-04-25

Resumo


Diretamente influenciado pelos naturalismos francês de Émile Zola e português de Eça de Queiroz, o naturalismo brasileiro foi marcado por um discurso anticlerical ou que tratou, apesar da força da Igreja Católica no país, a religião de forma apenas discreta. Essas duas vertentes são visíveis, respectivamente, nos dois romances mais populares de Aluísio Azevedo, "O mulato" e "O Cortiço". Mas o naturalismo, um movimento internacional, que provocou a imaginação de escritores em diversos países na virada do século XIX para o XX, apresentou outras vertentes, que abordaram mais diretamente o impacto da religião católica no imaginário social e, por extensão, de suas personagens. O objetivo dessa apresentação é buscar entender esse impacto do catolicismo na produção do mexicano Federico Gamboa, em romances como "Santa" e "A Chaga", em comparação com a do escritor brasileiro, para buscar proximidades e distanciamentos da escola naturalista nas culturas literárias desses dois países latino-americanos.

Palavras-chave


naturalismo; américa latina; catolicismo; anticlericalismo