Conferências FFLCH - USP, I Congresso Internacional Pensamento e Pesquisa sobre a América Latina

Tamanho da fonte: 
Balanço e Herança da Política Econômica dos governos de Centro-Esquerda na América Latina no início do Século XXI
Carlos Eduardo Carvalho

##manager.scheduler.building##: Departamento de História/FFLCH - USP
##manager.scheduler.room##: Sala 21
Data: 2019-05-09 02:00  – 05:00
Última alteração: 2019-05-03

Resumo


Não houve uma política econômica característica dos governos de centro-esquerda que polarizaram a cena política dos primeiros quinze anos do século XXI na América Latina. A clara diferenciação política que agrupou “bolivarianos” e “neoliberais” não encontrou traços peculiares que separassem os dois blocos nas políticas cambiais, monetárias e fiscais, “núcleo duro” da política econômica, nem nas políticas agrárias, agrícolas ou. A única exceção talvez seja o foco nas políticas sociais compensatórias ou condicionadas. A hipótese defendida no artigo é que as políticas econômicas dos governos de centro-esquerda responderam no essencial a dois vetores: (i) a herança de cada país, seu passado; (ii) os constrangimentos específicos que cada governo de centro-esquerda enfrentou de início ou ao longo de sua trajetória. Nos casos de Venezuela e de Brasil, houve de início políticas ortodoxas herdadas do governo anterior; depois houve políticas ditas inovadoras, mas que repetiram experiências passadas: no chavismo, câmbio valorizado e o petróleo “social”; no Brasil, desenvolvimentismo varguista. Na Argentina, houve heterodoxia no começo e “populismo” depois. No Equador, houve disciplina monetária e fiscal imposta pela dolarização e não questionada por Correa. A única exceção pode ter sido a Bolívia de Morales, ao menos nos primeiros anos, mas neste caso a singularidade foi a política econômica pragmática como base para a distribuição de renda, baseada em superávits fiscais e na folga cambial, elogiada até pelo FMI em alguns momentos. O artigo fará uma caracterização das políticas econômicas dos países citados para fundamentar as hipóteses apresentadas e discutirá as interpretações para a divergência de políticas econômicas de governos alinhados politicamente e as implicações deste processo, inclusive para as dificuldades para refletir sobre suas trajetórias e sobre a onda de centro-direita que parece prevalecer na região.


Palavras-chave


Governos Centro-Esquerda; Política Econômica; América Latina