Conferências FFLCH - USP, I Congresso Internacional Pensamento e Pesquisa sobre a América Latina

Tamanho da fonte: 
Aproximaçõs entre Espinosa e Amálio Pinheiro: Breve Recorte
Mara Lafourcade Rayel

##manager.scheduler.building##: Prédio da Letras/ FFLCH - USP
##manager.scheduler.room##: Sala 107
Data: 2019-05-08 02:00  – 05:00
Última alteração: 2019-04-26

Resumo


Este artigo tem por objetos as obras Ética, de Baruch de Espinosa (século XVII), e América Latina: barroco, cidade, jornal, de Amálio Pinheiro (século XXI). Nosso principal objetivo é aproximar as duas obras para fazer uma leitura mais intersticial dos processos multiculturais ocorridos aqui na América Latina. O problema que nos colocamos é o de analisar tais processos sem o viés logocêntrico, binário e dialético do pensamento centro-europeu. Nossa proposta é, pelo método da alegria – ressaltar a efetuação afirmativa da vida – traduzir a obra de Espinosa pela obra de Pinheiro. Por isso, fomos levados a destacar os modos de conhecimento latino-americanos, descritos por Pinheiro, que levam em conta a incorporação do alheio. Nosso segundo objetivo é mostrar como a obra de Pinheiro não só detecta mas efetua em sua explanação aquilo que Espinosa denominou de segundo gênero de conhecimento: a ação de enxergar as noções comuns entre elementos que se afetam, isto é, suas relações que permite dar a ver novos enlaces e conexões. Nossa conclusão aponta para o fato de que o autor latino-americano encena em seu texto ao mesmo tempo que descreve os processos de mestiçagem barroquizantes havidos entre povos, natureza e objetos da cultura e com isso realiza no corpo de sua obra procedimentos espinosistas por excelência. Assim, pelo método da alegria – selecionar as alegrias e os bons encontros – aproximamos e descrevemos o pensamento de ambos os autores e concomitantemente evidenciamos toda a complexidade e potência dos processos culturais latino-americanos.


Palavras-chave


América Latina, Processos Culturais, Afetos, Tradução