Conferências FFLCH - USP, I Congresso Internacional Pensamento e Pesquisa sobre a América Latina

Tamanho da fonte: 
Relações México-Argentina durante a ditadura civil-militar argentina (1976-1983): entre a solidariedade e a denúncia das redes transnacionais de exilados argentinos no México
Gabriel Roberto Dauer

##manager.scheduler.building##: Prédio da Filosofia e Ciências Sociais da FFLCH - USP
##manager.scheduler.room##: Sala 113
Data: 2019-05-09 10:30  – 01:00
Última alteração: 2019-05-04

Resumo


As redes de exilados argentinos no México foram importantes mecanismos de denúncia das violações de direitos humanos perpetradas pela Junta Militar durante a ditadura civil-militar (1976-1986). Dentre essas redes, duas se destacaram: o Comitê Argentino de Solidariedade com o Povo Argentino (COSPA) e a Comissão Argentina de Solidariedade (CAS). Com distintas formações políticas, o COSPA e a CAS integraram o maior número de exilados argentinos no México, sendo responsáveis por desenvolverem atividades de denúncia e solidariedade que deram visibilidade às atrocidades na Argentina e que garantiram a assistência necessária aos exilados. O objetivo desta pesquisa busca analisar de que maneira as atividades da CAS e do COSPA incidiram nas relações bilaterais entre México e Argentina durante a ditadura de 1976. Metodologicamente, foram selecionados quatro momentos históricos na Argentina: a visita da Anistia Internacional (AI) em 1976; a Copa Mundial de 1978; a visita da Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH) em 1979; e a Guerra das Malvinas em 1982. Em relação à bibliografia, as fontes são de ordem primária e secundária. Para as secundárias, serão utilizados trabalhos acadêmicos e livros de referência sobre o exílio político durante a ditadura de 1976. Já as fontes primárias são compostas por três grupos: i) Documentos do Departamento de Estado dos EUA, materiais que possuem informações sobre as violações de direitos humanos na Argentina; ii) Atas das reuniões da Junta Militar, utilizadas para explicar como o regime respondia às denúncias de violações de direitos humanos; e iii) Documentos da Embaixada e do Consulado da Argentina no México que registram as atividades da COSPA e da CAS no país, bem como as relações da Argentina com o governo mexicano em relação aos direitos humanos. O marco teórico utilizado centra-se nas estratégias de framing, efeito bumerangue e modelo espiral de atores, redes e ativistas transnacionais.


Palavras-chave


Argentina; Ditadura civil-militar; Exílios; México; Ativismo transnacional