Conferências FFLCH - USP, I Congresso Internacional Pensamento e Pesquisa sobre a América Latina

Tamanho da fonte: 
Cooperação Sul-sul e Diplomacia da Saúde: A Política Externa Brasileira na Nova Agenda Global
Rafaela Rodrigues

##manager.scheduler.building##: Departamento de Geografia da FFLCH - USP
##manager.scheduler.room##: Sala 11
Data: 2019-05-07 02:00  – 05:00
Última alteração: 2019-05-02

Resumo


O presente artigo trata da cooperação Sul-Sul e da saúde global, fazendo uma análise em perspectiva com a política externa brasileira no cenário internacional do início do século XXI. Os últimos anos aumentaram, em diferentes graus, o senso de vulnerabilidade das sociedades. Essa percepção difere dos países desenvolvidos para aqueles em desenvolvimento. Nos primeiros, esta sensação é pautada na insegurança e no medo provocados pelo aumento dos fluxos migratórios e pela eminência dos ataques terroristas, além de instabilidades econômicas; nos segundos, a sensação de vulnerabilidade é estrutural, expressa pelas desigualdades, pobreza e miséria, além da violência social e da negligência política. Nos dois casos, há desafios para conciliar as políticas econômicas de desenvolvimento com os avanços sociais. Neste cenário, a emergência de novos temas, atores e agendas evidenciam a importância da cooperação internacional Sul-Sul e da saúde global nas pautas de segurança e do desenvolvimento econômico e social, com seus respectivos desdobramentos na política doméstica e externa de cada país. O Brasil tem empenhado esforços no intercâmbio de experiências e no compartilhamento de resultados com diversos países da África e, em especial, da América Latina. O artigo a seguir reúne e apresenta algumas variáveis de política externa brasileira, além de acontecimentos-chave ao longo das últimas décadas, com o objetivo de traçar uma linha evolutiva e crescente para a importância da cooperação Sul-Sul e da saúde global na comunidade latino-americana. A pesquisa bibliográfica dialoga com o conceito de Diplomacia da Saúde enquanto estratégia de soft power brasileiro no início do século XXI, além de trazer conexões teóricas entre saúde, política externa e estudos de cooperação técnica Sul-Sul do Brasil. Em sequência, os resultados obtidos refletem a crescente dimensão dos conceitos de cooperação Sul-Sul e saúde global, notadamente duas das principais pautas de atuação internacional do Brasil no século XXI.


Palavras-chave


Política Externa; Cooperação Sul-Sul; Diplomacia da saúde; Integração regional; América Latina