Conferências FFLCH - USP, I Congresso Internacional Pensamento e Pesquisa sobre a América Latina

Tamanho da fonte: 
Percepções do Papel Brasileiro sobre o Regionalismo Regionalismo Latino-Americano no âmbito Financiamento e Monetário e Monetário: Avanços, Limitações e a Queda dos Governos de esquerda (2003-2016)
Ana Elisa Thomazella Gazzola, André Sanches Siqueira Campos

##manager.scheduler.building##: Departamento de História/FFLCH - USP
##manager.scheduler.room##: Sala 11
Data: 2019-05-10 09:00  – 01:00
Última alteração: 2019-05-03

Resumo


Procura-se analisar a política externa brasileira para a América Latina durante os governos Lula e Dilma (2003-2016), ressaltando os aspectos que analisam a possibilidade ou não de unidade política a partir das iniciativas de cooperação financeira e monetária regional. Nesse sentido, busca-se analisar a política burocrática nacional e o papel do BNDES, dos mecanismos desenvolvidos no MERCOSUL, com ênfase no FOCEM e no Sistema de Pagamentos em Moeda Local (SML), da cooperação setorial na UNASUL e das relações entre financiamentos e diálogo diplomático na CELAC. O estudo será realizado a partir de uma metodologia hipotético-dedutiva, baseando-se na revisão da literatura, pesquisa documental e análise de discurso, procurando enquadrar a revisão do papel brasileiro em um quadro de análise que envolva a América Latina como um todo. Considera-se que as iniciativas de cooperação regional impulsionadas pelo Brasil durante os governos de esquerda latino-americanos, após o ciclo liberalizante (1988-2002), foram essenciais para reforçar um espaço político em que pudesse se desenvolver uma conformação política intermediária com maior nível de autonomia regional. No entanto, a recente evolução das institucionalidades dos processos de integração regional não representaria o desenvolvimento de um novo tipo de regionalismo, mas poderiam ser interpretados como um indicativo do fracasso e das limitações do processo, uma vez que o Brasil apresenta dificuldade em empreender de maneira eficaz sua política regional e necessita recorrer a diferentes arranjos de estados ou instituições internacionais como forma de promover impacto sistêmico e potencializar seu processo de inserção regional. Observou-se que a queda no preço das commodities associado aos sucessivos casos de corrupção afetaram o superávit comercial dos países latino-americanos e a legitimidade política da esquerda latino-americana, favorecendo um cenário de ascensão de governos de centro-direita na América Latina. No Brasil, esta situação exigiu do Governo Rousseff cortes orçamentários que impactaram a economia nacional e levaram o país a uma crise institucional, resultando no impeachment presidencial e na ascensão de um projeto político com perfil à direita.


Palavras-chave


Brasil. Governos de esquerda. Cooperação Financeira e Monetária. Regionalismo latino-americano.