Conferências FFLCH - USP, I Congresso Internacional Pensamento e Pesquisa sobre a América Latina

Tamanho da fonte: 
Subimperialismo e Superexploração Revisitados: Uma Reinterpretação da América Latina Contemporânea
Otávio Henrique Simiano do Bomfim

##manager.scheduler.building##: Departamento de História/FFLCH - USP
##manager.scheduler.room##: Sala 21
Data: 2019-05-09 10:30  – 01:00
Última alteração: 2019-05-03

Resumo


A América Latina apresenta-se como um mergulhador perdido entre as margens do rio do tempo. Dessa forma, torna-se necessária uma reformulação do que pensamos ser a região e de que forma poderíamos utilizar de movimentações políticas econômicas e sociais, capazes de modificar a estrutura da sociedade, para que o subcontinente emergisse e encontrasse um caminho idiossincrático por meio destas margens. Portanto, assume centralidade a compreensão dos limites impostos pelas condições materiais de existência da América Latina no cenário internacional sobre os modelos de políticas desenvolvimentistas. Para tal, uma recuperação das ideias expostas por teóricos dependentistas, como Vânia Bambirra e Ruy Mauro Marini, é proposta como ferramenta a expor o aprofundamento dos desequilíbrios históricos que afligem as nações da região, causado pelas vociferações de um neoliberalismo contestado, que ressurge mais forte, num contexto em que o capitalismo superlativo se desvincula dos preceitos democráticos liberais não só nas margens do sistema, mas também nos centros tradicionais, como Europa e Estados Unidos, e novos, como a China. Considera-se que o espírito do autoritarismo que paira sobre o continente na contemporaneidade torna fulcral, novamente, uma percepção à respeito da superexploração elaborada por Marini, em que se exercem violências diretas e exacerbadas sobre os trabalhadores dos países latino-americanos em busca de uma manutenção dos níveis de lucro pelas burguesias locais, num contexto em que governos neoliberais investem contra as tendências de Estados de bem-estar e se abrem para a influência do capital externo, este que exerce a função de superexplorador sobre as burguesias e proletariados periféricos. Por meio de uma breve revisão historiográfica e da dissecação materialista dialética da realidade colonial da América Latina, o texto terá por objetivo explicitar a relevância das ideias de Marini para a região no século XXI, enxergando o esgotamento do desenvolvimentismo como uma oportunidade para se pensar novas formas de desenvolvimento, mais radicais e robustas, que possam estancar a hemorragia neoliberal que nos mutila.



Palavras-chave


Subimperialismo; Superexploração; Materialismo dialético; Teorias da Dependência; Colonialidade