Conferências FFLCH - USP, I Congresso Internacional Pensamento e Pesquisa sobre a América Latina

Tamanho da fonte: 
Brasil e Honduras: Golpes de Estado como expressão da ação imperialista
Lélica Lacerda, Viviani Barros, André Antunes

##manager.scheduler.building##: Prédio da Letras/ FFLCH - USP
##manager.scheduler.room##: Sala 103
Data: 2019-05-09 02:00  – 05:00
Última alteração: 2019-05-18

Resumo


O artigo aborda a formação da América Latina para evidenciar o modo como o capitalismo se estruturou nesse território, à partir de interesses externos dos países colonizadores, conforme Marini (2011), redundando num continente de democracia e direitos humanos débeis. Ainda de acordo com o autor, destacamos o caráter agroexportador atribuído a América Latina para sustentar o desenvolvimento do capitalismo dos países centrais. Dentro dessa perspectiva, compreendemos a América Latina como um continente incorporado ao mercado mundial no bojo do desenvolvimento do capitalismo central para, justamente, sustentar o desenvolvimento destes, estando submetidos a processos de contrarrevolução permanente que leva a transformações pelo alto (sem a participação da classe trabalhadora, sob os interesses imperialistas aliados às elites locais subservientes) sempre que necessário readequar as economias dependentes aos interesses imperialistas. Isso faz das democracias latino-americanas frágeis e os direitos humanos, uma formalidade sem concretude. Dentro desta compreensão, analisaremos a formação política e social do continente latino-americano demonstrando o sentido histórico dos sucessivos golpes de Estado dados, com ênfase no Brasil para o recente golpe de 2016 e; em Honduras, o golpe de 2009. O objetivo do presente artigo é, portanto, analisar comparativamente os golpes de Brasil e Honduras buscando identificar tendências para o golpe no Brasil, à partir da análise de um golpe mais antigo. Utilizamos como procedimento metodológico o estudo bibliográfico, tendo como abordagem teórica o materialismo histórico-dialético, em particular a teoria marxista da dependência; e a análise documental buscando a comparação de dados estatísticos. Temos como resultados alcançados que ação do imperialismo orquestrando golpes de Estados nos países da América Latina atenta à soberania destes países e, junto com a ameaça aos direitos políticos, abre-se tendência de assolar o conjunto dos direitos humanos: achatamento salarial, aumento dos índices de violência redundando em correntes de emigração, etc.


Palavras-chave


Contrarrevolução permanente; golpes de Estado; Capitalismo dependente; imperialismo; democracia débil.