Conferências FFLCH - USP, I Congresso Internacional Pensamento e Pesquisa sobre a América Latina

Tamanho da fonte: 
Integração regional como epistemologia do Sul
Carolina Albuquerque Silva

##manager.scheduler.building##: Departamento de História/FFLCH - USP
##manager.scheduler.room##: Sala 11
Data: 2019-05-10 09:00  – 01:00
Última alteração: 2019-05-03

Resumo


A pesquisa de doutorado a que se refere esta apresentação tem por objetivo identificar as características principais do regionalismo autonomista surgido na América Latina e no Caribe nos anos 2000 (ALBA, UNASUL, CELAC) e contribuir para a compreensão dos processos de integração em curso na região. As experiências de integração citadas, articuladas pelos governos progressistas eleitos no período, inovaram ao incorporar em sua agenda temas geopolíticos, sociais e identitários.

O desafio que se interpõe a tais expectativas de pesquisa tem a ver com a obsolescência das categorias de análise tradicionais sobre o regionalismo latino-americano, importadas de fora, centradas na dimensão comercial da integração e no debate sobre “protecionismo versus abertura”. Para contornar essas limitações, propõem-se um debate teórico que busca resgatar a teoria da autonomia, incorporando-a às novas contribuições da geopolítica crítica.

A teoria da autonomia, tributária do pensamento cepalino sobre o desenvolvimento periférico, surgiu nas décadas de 1970/1980, tendo como expoentes Jaguaribe e Puig, que contribuíram para o desenvolvimento das análises sobre a inserção latino-americana no sistema internacional e o papel da integração regional nas estratégias de desenvolvimento da região.

A geopolítica crítica, por sua vez, tem sido objeto de trabalhos recentes do mexicano Jaime Preciado e do espanhol Heriberto Cairo, que argumentam que as representações espaciais tradicionais sobre a América Latina e o Caribe fortalecem sua posição subordinada e dependente em relação ao sistema-mundo. As experiências regionais autonomistas são consideradas, nessa perspectiva, como produtoras de espacialidades contra-hegemônicas.

A pesquisa se insere no esforço de estruturação da integração regional como campo de estudo e na afirmação de sua natureza interdisciplinar. Interessa reivindicar a integração latino-americana como epistemologia do sul, desde um pensamento crítico original, aberto a incluir no debate sobre a integração e sobre a identidade regional temas como o meio ambiente, os direitos das minorias e os Estados plurinacionais.


Palavras-chave


Integração Regional; Autonomia; Hegemonia; Teorias do Sul