Conferências FFLCH - USP, I Congresso Internacional Pensamento e Pesquisa sobre a América Latina

Tamanho da fonte: 
Lugares de memoria e testemunho: A preservação de edifícios da repressão das ditaduras militares do Brasil e da Argentina
Elson Luiz Mattos Tavares da Silva

##manager.scheduler.building##: Departamento de Ciência Política/ FFLCH - USP
##manager.scheduler.room##: Sala 10
Data: 2019-05-08 10:30  – 01:00
Última alteração: 2019-05-03

Resumo


Entre os anos de 1960 e 1970 a América Latina vivenciou sucessivos golpes militares para a instalação de ditaduras militares. Consideradas as particularidades, essas ditaduras se caracterizaram pela institucionalização da violência e da centralidade da repressão em seus regimes. Algumas instituições da repressão funcionaram de modo sistemático, produzindo uma realidade de terror, baseada em prisões, sequestros, torturas, desaparecimentos, assassinatos e outras violências. Nesse sentido, a preservação de lugares em que funcionaram órgãos de terror tem sido um instrumento importante para o reconhecimento público desse passado. Os procedimentos de criação desses “lugares de memória” também se apresentam como processos sincrônicos, possíveis de serem analisados de modo comparado, para que se busque um entendimento mais complexo sobre cada realidade. Para isso têm sido observados edificações em São Paulo e Córdoba. Verificando então as próprias construções, suas transformações e historicidades, o processo de transição de instituições da repressão para lugares de preservação da memória, buscou-se compreender o papel dos “lugares de memória” nas políticas de reparação e de justiça, e sua atuação na consolidação de memórias sobre o período e como instrumentos de combate à violência de Estado.


Palavras-chave


Ditaduras militares; Brasil; Argentina; Memória; Patrimônio