Conferências FFLCH - USP, I Congresso Internacional Pensamento e Pesquisa sobre a América Latina

Tamanho da fonte: 
“Bandido bom é bandido morto”: o Homo Sacer e questões de direitos humanos no Brasil
Marina Figueiredo

##manager.scheduler.building##: Prédio da Letras/ FFLCH - USP
##manager.scheduler.room##: Sala 103
Data: 2019-05-09 02:00  – 05:00
Última alteração: 2019-06-13

Resumo


O Brasil é um dos países mais violentos do mundo, os dados são alarmantes: em 2014 o número de mortos por armas de fogo foi de 44.861. A complexidade é que mais de 90% das vítimas tem características muito específicas: jovens negros de periferia entre 15 e 29 anos, do sexo masculino. Na maioria dos casos não há nenhum tipo de investigação, o que reforça a ideia de impunidade. Diante destes dois problemas intrinsicamente relacionados – violência e impunidade - a temática sobre justiça de transição é bastante utilizada como forma de entendimento em que, no Brasil, a forte violência se relaciona com o problema sobre a estrutura da polícia militar e Poder Judiciário, herdados dos tempos da ditadura. Entretanto, o conceito de Homo Sacer, pensado pelo filósofo Giorgio Agamben, pode colocar em dúvida se realmente a violência e impunidade no Brasil se resume a problemas relacionados com a temática sobre justiça de transição.

 


Palavras-chave


violência de Estado, justiça de transição, direitos humanos, Homem sacro, escravidão.