Conferências FFLCH - USP, I Congresso Internacional Pensamento e Pesquisa sobre a América Latina

Tamanho da fonte: 
A Comunidade Andina frente ao overlapping de processos de integração regional
Flavia Loss De Araujo, André Leite Araujo

##manager.scheduler.building##: Departamento de Geografia da FFLCH - USP
##manager.scheduler.room##: Sala 11
Data: 2019-05-07 10:30  – 01:00
Última alteração: 2019-05-02

Resumo


O início do século XXI presenciou o surgimento de novas dinâmicas regionais na América do Sul, constituindo uma nova fase para a Comunidade Andina (CAN). No contexto da Onda Rosa, com a eleição de governos de esquerda e centro-esquerda na América do Sul, houve a emergência de novos arranjos que se sobrepuseram à CAN, tais quais a ALBA, Unasul e Aliança do Pacífico, além da retomada do Mercosul. A isso soma-se o impacto interno na CAN, com as alterações nos governos de seus próprios membros e a consequente divergência de visões sobre os rumos da integração andina. Nesse contexto, os Estados membros da CAN decidem por participar de outros modelos de integração, não seguindo o projeto original estabelecido em 1969. Como exemplo desse processo e sinônimo da crise, a saída da Venezuela, em 2006, afeta estruturalmente os rumos da integração andina, na medida em que a organização se reestrutura para lidar com o overlapping e não perder mais membros. Portanto, o fenômeno do duplo pertencimento a outros mecanismos de livre-comércio e a permissão de acordos bilaterais extra-bloco são lidos como estratégias institucionais de sobrevivência desse processo de integração. Diante do exposto, a pergunta de pesquisa deste artigo dirige-se a compreender em que medida o fenômeno de overlapping sul-americano, nos anos 2000 e 2010, afetou a CAN, instituição regional mais antiga da América do Sul. Tem-se como hipótese que a adaptação da CAN nesse período é uma nova fase do regionalismo andino à realidade regional no século XXI.



Palavras-chave


Comunidade Andina, Integração Regional, regionalismo, overlapping, onda rosa