Conferências FFLCH - USP, I Congresso Internacional Pensamento e Pesquisa sobre a América Latina

Tamanho da fonte: 
Vestuário e Imagens: a função de identidade nacional das vestes das padroeiras da América Latina
Fuviane Galdino Moreira

##manager.scheduler.building##: Departamento de Geografia da FFLCH - USP
##manager.scheduler.room##: Sala 11
Data: 2019-05-09 10:30  – 01:00
Última alteração: 2019-05-02

Resumo


As funções das vestes das padroeiras dos países da América Latina, mediadas por símbolos nacionais, nos conectam a discussões sobre a formação de uma identidade nacional na década de 1930, coincidindo com o Movimento da Ação Católica nesta parte sul do continente. Afinidades entre a Igreja Católica e o Estado propagam e legitimam o padronado das imaginárias sagradas. Pesquisamos o Brasil e a Argentina: os dois maiores países em extensão e população da América do Sul, com suas respectivas Imagens, considerando os aspectos políticos dos períodos em que suas devoções religiosas foram consideradas padroeiras nacionais. No Brasil, a Virgem Aparecida tornou-se padroeira durante o Governo de Getúlio Vargas, que, governando uma sociedade laicizada, queria a “unificação” do povo para simular uma identidade nacional que lhe serenasse as ações mais radicais, como a que depôs Washington Luís, na Revolução de 1930. Apesar da ditadura que perpassou o esse governo (1937 a 1940), sua trajetória foi integradora e nacionalista. Na Argentina, Nossa Senhora de Luján foi considerada padroeira em 1930, na gestão do general José Félix Uriburu, marcada pelo Golpe de Estado apoiado pelos nacionalistas em seis de setembro daquele ano. Entendemos “nação” como uma forma de organizar a sociedade num mesmo território geográfico, para formar uma unidade moral, mental e intelectual (ORTIZ, 2006), e, também, como uma comunidade imaginada (ANDERSON, 2008). Esses sentidos nos levam a pensar o nacional como algo ficcionalmente construído, em cuja estrutura se ressaltam aspectos religiosos e políticos; aqui trataremos de padroeiras que preservam em suas vestes relevantes funções identitárias nas práticas culturais latino-americanas.

 

 


Palavras-chave


Padroeiras, América do Sul, Ação Católica, vestuário, função identitária