Conferências FFLCH - USP, I Congresso Internacional Pensamento e Pesquisa sobre a América Latina

Tamanho da fonte: 
Processos participativos: Aproximações entre indivíduo e espaço
Jordana Leijoto Santos

##manager.scheduler.building##: Departamento de História/FFLCH - USP
##manager.scheduler.room##: Sala 15
Data: 2019-05-07 10:30  – 01:00
Última alteração: 2019-05-30

Resumo


O presente artigo é fruto da pesquisa desenvolvida junto ao Programa Interdepartamental de Pós-Graduação Interdisciplinar em Artes, Urbanidades e Sustentabilidade (PIPAUS/UFSJ), tendo como objetivo apresentar a relação do indivíduo e cidade no que tange à apropriação do espaço em conjuntos habitacionais de interesse social. Propõe-se dialogar a ação da Associação dos Sem Teto de Conselheiro Lafaiete (ASTCOL) na produção do Residencial Dom Luciano, empreendimento vinculado ao Programa Minha Casa Minha Vida – Entidades no município de Conselheiro Lafaiete – MG, à relatos de experiência de moradoras dos conjuntos Paulo Freire e Unidos Venceremos, viabilizados por associações filiadas ao Movimento dos Trabalhadores Sem Terra – Leste 1/UMM-SP, em São Paulo. Fundamentando-se no espaço vinculado às ações do indivíduo (LEFEBVRE, 2012), e referenciando-se à Ferro (2015) e o trabalhador coletivo no contexto da autogestão, a participação é um componente que propicia consciência social e espacial, agregando possibilidades emancipadoras. Dessa forma, ao reconhecer a transdisciplinaridade como um modo de fazer cooperativo e coletivo (D’AMBRÓSIO, 2011), vislumbra-se no processo participativo o emprego dos saberes individuais e coletivos para a obtenção de uma quebra de padrão – um processo transdisciplinar. A partir disso, reconhecendo a autogestão por diferentes perspectivas, a forma de gerenciamento escolhida pela ASTCOL, formato Empreitada Global, impossibilitou aprofundamento de vivências emancipadoras, desenvolvendo características que assemelham à assistencialismo. Ressaltando as diferenças regionais de desenvolvimento de projetos participativos em Minas Gerais e São Paulo, a presente pesquisa examina os fatores de limitação e potencialização da autogestão nos contextos mencionados. Para tanto, foi utilizado o método pesquisa-ação, entendido como um processo que visa o diálogo e incentiva a participação na busca do conhecimento da realidade (BALDISSERA, 2001), possibilitando, dessa maneira, aproximações entre reflexões teóricas e empíricas.

 


Palavras-chave


Habitação de interesse social, Apropriação, Autogestão , Participação, Transdisciplinaridade