Conferências FFLCH - USP, I Congresso Internacional Pensamento e Pesquisa sobre a América Latina

Tamanho da fonte: 
Trabalho e luta de imigrantes negros em São Paulo e Buenos Aires.
Marcio Farias

##manager.scheduler.building##: Prédio da Letras/ FFLCH - USP
##manager.scheduler.room##: Sala 108
Data: 2019-05-08 02:00  – 05:00
Última alteração: 2019-05-03

Resumo


O objetivo desta pesquisa(em andamento) é analisar a dinâmica psicossocial que envolve o fluxo contemporâneo de imigrantes negros para as cidades de São Paulo e Buenos Aires, no que diz respeito às condições de trabalho e como se dão as formas de organização politica desses grupos. Assim sendo, busca-se correlacionar as categorias trabalho e subjetividade em interface com racismo, preconceito e formas lutas politicas, para sistematizar o processo que conforma o novo fluxo imigratório negro para São Paulo e Buenos Aires situando a no contexto geral das imigrações nessas cidades no que diz respeito às divergências, convergências e especificidades e verificar a inserção dos imigrantes negros no mercado de trabalho.

Entende-se aqui  o fenômeno da migração africana contemporânea ao Brasil e Argentina como - hipótese de pesquisa – um duplo estatuto: uma nova forma de objetivação do racismo e como mais um capítulo da luta de classes no Brasil e na Argentina. Luta de classes aqui entendida como fenômeno que não se atém apenas as determinações econômicas, mas em esferas sociais mais amplas, inseridas numa totalidade social, e que não são resumidas e determinadas de forma causal.

Diante da complexidade do fenômeno descrito, este projeto se baliza nas bases teóricas sócio histórica, recorrendo à categoria trabalho em Marx e Lukács, entendendo que ambos, sobretudo Lukács, tem contribuições efetivas para o campo da psicologia social.

Parte-se, portanto, do entendimento do racismo enquanto ideologia que permeia as relações sociais e que se concretiza nas relações interpessoais como uma expressão do preconceito enquanto fenômeno social, inserido na cotidianidade. Neste ponto, as categorias dimensão subjetivada da realidade (Odair, 2009), vivência, sentido, significado e mediação da linguagem (Vygotsky, 2001) são fundamentais para esta proposta de pesquisa. Entendoe se ainda o profundo diálogo desses autores com a proposta analítica de Frantz Fanon (2008) . Também é fundamental inscrever este trabalho diante do conjunto de estudos sobre relações raciais no Brasil e na Argentina . Dos estudos contemporâneos, Carlos Hasembalg, Antônio Sérgio Guimarães, Alexandre Frigeiro, George Reid Andrews, Lea Geler e Kabenguele Munangasão autores imprescindíveis para o afinamento analítico deste estudo, sobretudo pela maneira como articulam as diferentes possibilidades de categorias/conceitos para os estudos sobre relações raciais. Em relação ao debate de raça e classe , os estudos de Clovis Moura, Octavio Ianni e Florestan Fernandes serão utilizados como referência heurística.  As contribuições da psicologia para o entendimento das relações raciais alicerçam este estudo, sobretudo os estudos clássicos de Virgínea Leone Bicudo, Neusa Souza Santos, Isildinha Nogueira, Maria Aparecida da Silva Bento e Fúlvia Rosemberg. Também se fará fundamental o resgate dos estudos clássicos da psicologia social sobre a condição de vida e experiência de trabalhadores como Gonçalves Filho (1998) ; Bosi (1999) ; Bem como estudos contemporâneos em psicologia social sobre imigração Carignato, Rosa; Pacheco Filho (Orgs.) (2002; DeBiaggi (2003 2004); Debieux (2015) . Por último, também subsidiam esta pesquisa, os estudos contemporâneos sobre imigração no Brasil e na América Latina.


 


Palavras-chave


Imigração- racismo-lutas de classes-subjetividade - uta politica