Conferências FFLCH - USP, I Congresso Internacional Pensamento e Pesquisa sobre a América Latina

Tamanho da fonte: 
A persistência de exceções à norma do trabalho livre assalariado: da escravidão à superexploração
Elisabeth Zorgetz Loureiro, Ariane Moreno Reis, Sócrates Jácobo Moquete Guzman

##manager.scheduler.building##: Departamento de História/FFLCH - USP
##manager.scheduler.room##: Sala 19
Data: 2019-05-07 02:00  – 05:00
Última alteração: 2019-05-04

Resumo


A proposta deste trabalho é discutir as modalidades em que o processo de acumulação primitiva de capital ocorre continuamente através do tempo histórico do capitalismo e também identificar o papel das formas de trabalho não-livre na contemporaneidade, somando a esta análise a categoria superexploração do trabalho em sua expressão assalariada. A reprodução do capitalismo obscurece o caráter social das formas de exploração necessárias a ele, e é tarefa da crítica da economia política desmistificar essas dinâmicas. Permitindo que se interprete com maior rigor como se distribui a participação da força de trabalho global é possível encarar uma nova dinâmica na luta contra a apropriação do trabalho, que também permite considerar todos os trabalhadores tradicionalmente excluídos dos movimentos contra a exploração.



Palavras-chave


Acumulação Primitiva; Relações de trabalho; Superexploração; Trabalho não-livre